Palavra-chave: nietzsche

Resultados para a palavra-chave nietzsche

nietzsche

“através do abuso exasperante do mais barato meio de agitação, a afetação moral, buscam incitar o gado de chifres que há no povo” – Nietzsche In: Genealogia da Moral

Publicado em 13 de junho de 2007 por Olegario Schmitt

Vacas Olhando para o Próprio Umbigo

Niilista, eu? Imagine!

Acredito piamente que a humanidade terá seu período de vacas gordas…

…todas indo para o brejo!

“atra­vés do abuso exas­pe­rante do mais barato meio de agi­ta­ção, a afe­ta­ção moral, bus­cam inci­tar o gado de chi­fres que há no povo” — Nietzsche In: Genealogia da Moral

Publicado em 05 de janeiro de 2007 por Olegario Schmitt

O Povo Segundo Nietzsche

Havendo no mundo basicamente dois tipos de pessoas, a saber, aquelas que têm as idéias e aquelas que as executam, assim se estabelece o mundo, mandando quem pode, obedecendo quem tem juízo.

Aos primeiros é necessária a presença de algum mérito intelecto-cultural, por menor que seja, enquanto que aos segundos basta apenas que possuam força física. Nestes últimos, a burrice e a ignorância são até mesmo recomendáveis, de forma que quaisquer intelectualidade ou cultura por sorte presentes neste trabalhador braçal de existência tosca e rude serão menosprezadas, verdadeiros motivos de desabono pessoal.

No convívio social rural, por exemplo, será tida como a mais louvável a personalidade trabalhadora, capaz de enfrentar “muito bom sujeito, tra­ba­lha­dor”de maneira incansável longas jornadas de trabalho sob sol e chuva. Freqüentemente se ouve, entre conversas, expressões como “muito bom sujeito, trabalhador”, “uma grande pessoa, trabalhava de sol a sol”. Também se percebe que, a este tipo de pessoas, se faz vistas grossas para toda e qualquer falha de caráter que por ventura possa existir, desde que trabalhe como um boi de carga.

Ora, como os bois também possuem grande capacidade de trabalho, se poderia até concluir que os trabalhadores braçais são tão valoráveis quanto um bovino, não fosse a diferença essencial de que não se tolera um boi sem caráter: ao menor sinal de impertinência ou geniosidade, este será submetido ao açoite e, caso insistir com birra em tal comportamento, lhe será reservado unicamente o direito de virar churrasco.

Dessa forma, me permito concluir que a única diferença entre um ser humano de maneiras rudes e personalidade pouco louvável, porém trabalhador, e um boi é que, no primeiro, as falhas de caráter são facilmente perdoadas.

Todo bônus tem seu ônus. Qual é o preço pago pelo conhecimento?

Publicado em 27 de julho de 2004 por Olegario Schmitt

Reflexão (Autoretrato)
Clique aqui para ler um livro em PDF sobre autoretratos

Há alguns dias, enquanto andava na rua, percebi um grupo de pessoas rindo feito uns diabos. É incrível como a intelectualidade reflete-se na expressão das faces e, dessa forma, pude perceber claramente o nível cultural desse grupo. Fiquei abismado ao ouvir que eles riam-se das maiores bobagens, das maiores idiotices imagináveis, de coisas sem sentido.

Lembrei-me de imediato do conto de Voltaire, História de Um Brâmane, lido ainda na minha adolescência, onde ele, percebendo que as pessoas menos cultas pareciam ser mais felizes, questiona o valor do conhecimento e da cultura.

Continuar lendo »

Uma sopa improvável.

Publicado em 28 de junho de 2004 por Olegario Schmitt

Série Aranhas e Insetos

Freqüentemente os homens se relacionam com seus príncipes como fazem com seu deus, o príncipe tendo sido muitas vezes o representante do deus, seu sumo sacerdote, pelo menos¹. Mas para algo existir mesmo — um deus, um bicho, um universo, um anjo… — é preciso que alguém tenha consciência dele. Ou simplesmente que o tenha inventado².

A esse medo dos poderes invisíveis, inventados ou imaginados a partir de relatos, chama-se religião³, então não desças os degraus do sonho para não despertar os monstros. Não subas aos sótãos — onde os deuses, por trás das suas máscaras, ocultam o próprio enigma. Não desças, não subas, fica. O mistério está é na tua vida! É um sonho louco este nosso mundo², o homem é o lobo do homem³.

Continuar lendo »

“através do abuso exasperante do mais barato meio de agitação, a afetação moral, buscam incitar o gado de chifres que há no povo” – Nietzsche In: Genealogia da Moral

Publicado em 03 de junho de 2004 por Olegario Schmitt

Nietzsche estava certo ao afirmar que o povo é como gado.

Sejamos, portanto, compreensivos — jamais complacentes — com a massa.

A matéria bruta não assimila o etéreo: não lê poesia e acha Vivaldi um chato. Prefere revistas de moda e batidas de martelo.

O gado não diz obrigado, não pede desculpas, desconhece o que sejam sentimentos nobres.

Pesando os chifres sobre suas cabeças, olha na direção em que suas almas apontam: o chão. Por isso são tristes e andam de cabeças baixas.

E na sua existência, fora a cria, o pasto e a bosta, nada mais faz sentido.

Designed by