Palavra-chave: jorge luis borges

Resultados para a palavra-chave jorge luis borges

jorge luis borges

“Deus em cada criatura. Nesse labirinto puro está teu reflexo.”

Publicado em 10 de Abril de 2005 por Olegario Schmitt

Encontro de Cristo com a Mãe - Victor Brecheret (Déc. 1940)

A Moeda de Ferro

Jorge Luis Borges

Aqui está a moeda de ferro. Interroguemos
as duas faces contrárias que serão a resposta
da pergunta teimosa que ninguém se fez:
Por que um homem precisa que uma mulher o queira?

Olhemos. Na órbita superior entrelaçam-se
o firmamento quádruplo que sustenta o dilúvio
e as inalteráveis estrelas planetárias.
Adão, o jovem pai, e o jovem Paraíso.

A tarde e a manhã. Deus em cada criatura.
Nesse labirinto puro está teu reflexo.
Joguemos novamente a moeda de ferro
que também é um espelho magnífico. Seu reverso
é ninguém e nada e sombra e cegueira. Isso és.
De ferro as duas faces lavram um só eco.
Tuas mãos e tua língua são testemunhas infiéis.
Deus é o centro intangível da aliança.
Não exalta nem condena. Obra melhor: esquece.
Maculado de infâmia por que não haverão de querer-te?
Na sombra do outro procuramos nossa sombra;
no cristal do outro, nosso cristal recíproco.

In: La moneda de Hierro (1976)
Tradução: Olegario Schmitt

Três Jorges e um Borges

Publicado em 09 de Abril de 2005 por Olegario Schmitt

Índio com Arco-e-Flecha - Ottone Zorlini (1950)

Para uma versão do I King

Jorge Luis Borges

O porvir é tão irrevogável
Quanto o rígido ontem. Não há uma coisa
Que não seja letra silenciosa
Da eterna escritura indecifrável
Cujo livro é o tempo. Quem se distancia
De sua casa já voltou. Nossa vida
É a senda futura e percorrida.
O rigor teceu a madeixa.
Não te desvies. A masmorra é escura,
A trama firme é de incessante ferro,
Mas em algum recanto de teu fim
Pode haver uma luz, uma fenda.
O caminho é fatal como a flecha,
Mas nas frestas está Deus, que espreita.

In: La moneda de Hierro (1976)

Tradução: Olegario Schmitt


Uma chave em East Lansing

Jorge Luis Borges

Sou uma peça de aço limado.
Meu borde irregular não é arbitrário.
Durmo meu sonho vadio num armário
Que não vejo. Sujeita ao meu chaveiro
Há uma fechadura que me espera.
Uma só. A porta é de ferro
Forjado e cristal firme. Do outro lado
Está a casa, oculta e verdadeira.
Altos na penumbra os espelhos
Desertos vêem as noites e os dias
E as fotografias dos mortos
E o ontem tênue das fotografias.
Alguma vez empurrarei a porta
Dura e farei girar a fechadura.

In: La moneda de Hierro (1976)

Tradução: Olegario Schmitt


Um Sonho (Ein Traum)

Jorge Luis Borges

Sabiam-no os três.
Ela era a colega de Kafka.
Kafka a tinha sonhado.
Sabiam-no os três.
Ele era o amigo de Kafka.
Kafka o tinha sonhado.
Sabiam-no os três.
A mulher disse ao amigo:
Quero que esta noite me queiras.
Sabiam-no os três.
O homem a contestou: Se pecamos,
Kafka deixará de sonhar-nos.
Um o soube.
Não havia mais nada na terra.
Kafka disse para si mesmo:
Agora que se foram os dois, fiquei só.
Deixarei de sonhar-me.

In: La moneda de Hierro (1976)

Tradução: Olegario Schmitt

Designed by