Segregação sexual

O que se encontra por trás da segregação sexual?

Reflexões

Segregação sexual

O que se encontra por trás da segregação sexual?

Publicado em 29 de novembro de 2006 por Olegario Schmitt

Tule Lake Segregation Center

A segregação sexual se alicerça em diversos princípios, todos eles defendidos como fundamentalmente indiscutíveis e baseados em dogmas, leis escritas ou consuetudinárias e tradições políticas, não passando de meros pretextos utilizados unicamente para a obtenção e exercício do poder.

Por questões matemáticas e estatísticas, se a luta pelo poder incluísse a totalidade dos seres humanos, as chances de cada homem alcançá-lo diminuiriam consideravelmente: melhor para os que necessitam disso é disputar com apenas 50% da população mundial. Além do mais, como seria possível aos homens lutar pelo poder se não houvesse ninguém para cuidar da casa e das crianças, não é mesmo?

Não exito em afirmar que, independentemente de qual assertiva que essa ou aquela nuance do sexismo utilize para justificar seus atos, a resposta justa será una: machismo.

Um dos argumentos para a separação entre mulheres e homens é o de que mulheres são impuras. Fato curioso, tendo-se “mulheres são impuras e imundas”em vista que todo homem nasceu das entranhas “imundas” de uma mulher, dessa forma sendo ele mesmo imundo e contaminado já na sua origem. Atente, no entanto, que isso não impede que ele se deite com ela, que chafurde na “imundície” e que se lambuze na “impureza”.

Outra “razão” utilizada é a de que mulheres são inferiores. Mas se as mulheres são assim tão inferiores, não deveriam ser capazes de gerar seres tão “infinitamente superiores” como os homens, por simples questão de lógica. Apesar de flores poderem efetivamente nascer na imundície, não seria correto afirmar que todas as flores nascem em chiqueiros, pelo mesmo motivo que as sementes não florescem nas pedras.

Também se justifica dizendo que mulheres são, por natureza, lascivas e insinuantes. Motivo mais do que suficiente para que se as mantenha distantes, é óbvio! Principalmente durantes certas atividades pois, do contrário, poderiam desvirtuar o intento do homem, distraindo-o,“mulheres são lascivas e insinuantes” poluindo sua mente com pensamentos impuros. Nunca vi tamanha estultice: se quem tem os pensamentos impuros são os homens, estes é que deveriam ser afastados e proibidos de exercer essas atividades por terem pensamentos lascivos. É como dizer que se uma pessoa gosta de roubar objetos de ouro, todos os objetos dourados devem ser ocultados à presença dela, para que esta não incorra em erro. Dessa forma, se tal pessoa vier a errar, a culpa jamais será dela, mas unicamente do objeto que estava onde não deveria estar.

Tudo isso, no entanto, poderá até parecer pouco se considerarmos as culturas ainda mais extremistas que recorrem à excisão ou infibulação, onde as mulheres são literalmente mutiladas sexualmente. O motivo utilizado é que, do contrário, as crianças nascidas dessas mulheres seriam prenúncio de desordem e azar. No mundo, como conseqüência de tal prática, morrem em torno 600.000 mulheres por ano, sendo que 20.000 delas somente na França¹. Como nessas culturas não há o rito da emasculação, conclui-se que mais uma vez o ouro é ocultado do ladrão de jóias, não me permitindo visualizar desordem e azar maiores do que esses.

Mas, enfim, nescidades hão sempre de ser alicerçadas sobre argumentos também néscios, via de regra.

Ah, tempos, tempos, tempos! Desde sempre e até quando? Se for para segregar, por que é que não são segregados os que têm caráter dos que não o têm, os honestos dos desonestos, os justos dos injustos?

Deve ser porque muito poucos sobrariam em um dos lados…

¹ DAMASIO, CELUY R. H. – In: Revista Espaço Acadêmico – Ano I – Nº 03 – Agosto de 2001

Comentários

  1. Marcelo
    5 de fevereiro de 2009

    Esse texto é altamente falácioso, pesquise um pouco sobre as pesquisas cientificas das principais diferenças cognitivas entre o homem é a mulher, pense também qual foi o motivo que fez com que as mulheres fossem submissas aos homens durante praticamente a história toda, em qualquer civilização ou época essa diferença existiu mesmo que em diferentes graus. Por último não há motivo nenhuma parar crer que a natureza fez os dois sexos iguais, ambos possuem diferenças óbvias, e óbviamente também um tende a ser superior que o outro, não é machismo é realismo.

  2. Olegario Schmitt
    6 de fevereiro de 2009

    Caro Marcelo,

    discordo completamente de sua opinião, mas agradeço profundamente por manifestá-la.

    Infelizmente, você não deixou um e-mail válido para que eu retornasse com essa resposta.

Contribua com sua opinião

Designed by