Soneto do Amor Total

Porque um pouco de amor não faz mal a ninguém…

Literatura

Soneto do Amor Total

Porque um pouco de amor não faz mal a ninguém…

Publicado em 24 de outubro de 2004 por Olegario Schmitt

Soneto do Amor Total

Vinícius de Moraes


Amo-te tanto, meu amor… não cante,
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante,
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade,
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude,
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente,
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Comentários

  1. made
    12 de junho de 2008

    que poema lindo….

    maravilhoso

Contribua com sua opinião

Designed by