Nalú Nogueira

Essa poeta é uma serendipidade ambulante

Literatura

Nalú Nogueira

Essa poeta é uma serendipidade ambulante

Publicado em 12 de agosto de 2009 por Olegario Schmitt

o ipê

Nalú Nogueira e Olegario Schmitt

Eu tenho um ipê tão alto
que uso seu caule-telégrafo
para conversar com os anjos
em pancadinhas em morse.

Nas folhas verdes-pulsantes
em meu morsear poético e
tantas vezes patético
peço urgências providências
para acalmar a dor que sinto.

Noutros dias vou subindo,
tardes indo me esconder no
ipê florido, lá do alto mar azuis
e céu lilases, outros, sangues
e a minha tristeza exangüe
e o meu cantar colorido.

Tardes indo, anjos vindo.
E o vento gordo ventando.
E as folhas do ipê balançando.
E a luz da vida sorrindo.

Você pode deixar sua opinião registrada

Seu ponto de vista é importante. A reação do leitor é um termômetro valioso para o autor.

Contribua com sua opinião

Designed by