Independência é Morte!

A “comemoração” da independência expõe nossas características intrínsecas.

Celebrações

Independência é Morte!

A “comemoração” da independência expõe nossas características intrínsecas.

Publicado em 07 de setembro de 2004 por Olegario Schmitt

Monumento ao Ipiranga

Hoje é 7 de setembro, data em que comemoramos nossa independência, ou melhor, data em que comemoramos o feriado e lembramos (?) a independência em relação à corte portuguesa, em 1822.

Nos maiores jornais e portais de Internet do país, eram estas as reportagens de capa:

“Quer namorar no FERIADO?” (Terra)

“Eleições nos EUA / Financial Times” (UOL)

“Lula usa o crescimento para incitar o patriotismo” (Folha de São Paulo)

“Enfim noivos (foto de capa: Ronaldo e Cicarelli) / Produção de carros bate recordes e cria 6.800 empregos” (Diário de São Paulo)

“Corte de candidatos com ficha criminal divide ministros do TSE” (O Globo)

“7 de setembro tórrido” (Zero Hora)

“Produtividade da indústria cresce 7,2% no 1º semestre” (O Estado de S. Paulo)

Pouca ou nenhuma alusão a essa data tão especial pelos meios de comunicação em massa faz-nos perceber que talvez não haja motivos para comemorar: atualmente a Independência do Brasil não passa de um monumento cheio de cocôs de pombos, e nenhuma imagem poderia ser mais exata para representar a realidade da nossa dependência dos EUA e do FMI.

Às margens do Ipiranga: esgoto a céu aberto

“Independência ou morte”, em épocas de globalização, passou a significar “independência é morte”.

Que o diga Cuba.

Há mais de século nossos Dom Pedros extintos, “às margens do Ipiranga” adquiriu um tom mais sinistro, significando, literalmente, “às margens do esgoto correndo a céu aberto” e parece que do refrão do nosso Hino à Independência, ficou apenas o “Brasil servil”.

Monumento ao Ipiranga: grifos e leões

Já os grifos e leões “guarnecendo” nosso monumento comemorativo à independência, em detrimento a boitatás com olhos de fogo ou curupiras montados em porcos-do-mato, dão-nos idéia bastante realística do que nossa independência significa: nada mais do que ilusão.

Sem dar-se conta, o artista/arquiteto de tal monumento, ao utilizar tais figuras, refletiu ali, além do seu próprio, o inconsciente de toda uma nação, expondo a todos nossa dependência internacional até mesmo no que tange às figuras mitológicas.

Você pode deixar sua opinião registrada

Seu ponto de vista é importante. A reação do leitor é um termômetro valioso para o autor.

Contribua com sua opinião

Designed by